Método de Ensino e Avaliação

As metodologias adotadas são típicas de uma Escola de Negócios construída de acordo com a filosofia emanada das práticas correntes nas melhores Escolas na União Europeia e nos Estados Unidos. Os órgãos de gestão da escola mantêm uma proatividade assinalável no que diz respeito à preocupação com os formatos e metodologias do Ensino praticado na ABS, evidenciando o seu carácter de Business School, sempre virada para a aplicabilidade, em ambiente empresarial, das competências adquiridas pelos estudantes ao longo do seu percurso académico.

ESTUDO DE CASOS

O Estudo de Caso é um método que assenta no estudo de situações reais no mundo dos negócios, servindo para demonstrar a aplicabilidade dos conhecimentos adquiridos à realidade. Muitas das unidades curriculares recorrem a este método. A ABS foi pioneira nesta área, tendo sido a primeira a utilizar em Portugal a metodologia ABP – Aprendizagem Baseada em Problemas (Problem Based Learning) da prestigiada Escola de Harvard.

PROJETOS

A maior parte das unidades curriculares englobam, de uma forma mais ou menos intensa, a realização de projetos de diferentes naturezas, que complementam o conteúdo académico de algumas unidades curriculares. No final de todos os cursos, existe uma disciplina estruturante, com a duração de pelo menos um Semestre, visando a aplicação de projetos num ambiente de imersão empresarial, num trabalho conjunto entre os alunos organizados em grupo, os docentes e responsáveis das empresas onde os projetos são realizados.

ELABORAÇÃO DE TRABALHOS

A maior parte das unidades curriculares obriga à elaboração de trabalhos individuais ou em grupo.

SIMULAÇÕES

Algumas das unidades curriculares recorrem a jogos de simulação que permitem o contacto direto com as empresas, numa tentativa de simular problemas concretos do quotidiano empresarial e dos mercados financeiros.

VISITAS A EMPRESAS

Em algumas das unidades curriculares, os alunos deslocam-se a empresas para se aperceberem, in loco, do seu funcionamento e das suas especificidades. A realização de projetos no âmbito das disciplinas estruturantes de final de curso culmina o processo da integração gradual e progressiva no ambiente empresarial.

VISITAS DE EMPRESÁRIOS

Algumas das unidades curriculares envolvem a visita de quadros e empresários à escola, transmitindo os seus saberes e competências aos alunos dos diferentes cursos.

SEMINÁRIOS

Ao longo dos diferentes cursos, os alunos beneficiam de sessões de trabalho sobre temas específicos, ministradas por especialistas nacionais e estrangeiros.

METODOLOGIAS DE ENSINO

O Regulamento de Avaliação de Conhecimentos da ABS consagra os princípios defendidos no Processo de Bolonha, orientando os Docentes para adequar as suas unidades curriculares às linhas de orientação estratégicas do Instituto, nomeadamente:

  • Privilegiando um ensino baseado no desenvolvimento de competências face a um ensino baseado na transmissão de conhecimentos;
  • Privilegiando um ensino centrado no estudante face ao ensino tradicional centrado no docente;
  • Privilegiando um ensino aberto e aplicado, em estreita relação com as empresas e o meio envolvente;
  • Privilegiando metodologias de ensino e avaliação que se adequem aos objetivos acima referidos e que, além disso, transformem o processo de aprendizagem numa experiência agradável e constantemente satisfatória para o/a Estudante.

A ABS instrui os seus Docentes para, nos processos de ensino, aprendizagem e avaliação, assegurarem a AUTONOMIA DO ESTUDANTE, favorecendo o seu papel ativo e interventor, sob orientação e apoio adequados do corpo docente.

Assim, o ensino na ABS envolve metodologias essencialmente ativas, envolvendo meio de sessões de ensino coletivas, sessões de ensino tutorial, projetos, trabalhos no terreno, visitas, simulações, seminários, formação em contexto de trabalho, estágios e outras formas de transmissão de conhecimentos e desenvolvimento de competências que se mostrem adequadas face à diversidade e necessidades dos Estudantes, em conformidade com os objetivos de aprendizagem.

METODOLOGIAS DE ENSINO NOS TESP E NA LICENCIATURA

As metodologias de ensino encontram-se adequadas à MISSÃO de uma instituição de natureza politécnica e está patente ao longo de todos os cursos, encontrando o seu apogeu no último ano com as disciplinas de Estágio e de Casos de Estratégia.

Ao longo dos primeiros semestres do ciclo de estudos, os Docentes procuram que, de uma forma ou de outra, no processo de aprendizagem, esteja sempre presente o desenvolvimento de competências na área específica da sua unidade curricular. Trata-se, contudo, de experiências limitadas, quer pela necessidade de abordar temáticas específicas e pré-determinadas, quer pela reduzida duração de cada unidade curricular. Em cada uma das unidades curriculares dos primeiros semestres, os estudantes aprendem conteúdos específicos, aplicando-os sempre que possível, mas centrando o processo de aprendizagem nos seus objetivos programáticos específicos. A melhor forma de complementar esta aprendizagem é aprofundar o estudo das várias temáticas e aplicá-las num contexto empresarial.

Desta forma, chegados ao último ano do ciclo de estudos, os estudantes vão poder desenvolver as suas competências na área do seu curso, de uma forma integrada, num contexto real, não estruturado. Após vários meses a estudar as diferentes áreas das ciências empresariais, numa integração gradual e crescente, através dos diferentes trabalhos aplicados na vida das empresas, os estudantes passam a desenvolver competências inseridos na realidade empresarial.

Esta imersão realiza-se de duas formas complementares:

  • na unidade curricular “CASOS DE ESTRATÉGIA” (Licenciatura) e “ANÁLISE DE CASOS” (TeSP), os estudantes vão, em grupo e em conjunto com colaboradores de uma empresa, apoiados por Docentes da ABS, mergulhar na vida de uma empresa, resolvendo um Caso real, em real time;
  • na unidade curricular “ESTÁGIO”, os estudantes irão continuar a experiência, aprofundando e aplicando os conhecimentos adquiridos ao longo do curso, de uma forma geral, estagiando numa empresa, e desenvolvendo vários projetos e estudos aplicados nessa empresa, orientados pelo Tutor da ABS.

Este processo de aprendizagem envolve 6 objetivos importantes:

  • Aprender a aplicar os conhecimentos em Casos Reais
  • Aprender a trabalhar em equipa em regime de imersão (e stress)
  • Apender a interligação entre as matérias de diferentes unidades curriculares
  • Aprender a efetuar uma análise multidisciplinar de empresas
  • Aprender a interagir com o meio empresarial
  • Aprender a trabalhar inseridos no dia-a-dia das empresas.

Com estas unidades curriculares, os estudantes aprendam a analisar e a resolver problemas empresariais na área do seu curso. Mais do que as temáticas em si, é o tipo de abordagem e as competências que desenvolvem no processo de resolução, envolvendo a inserção na realidade empresarial, que distingue este processo de aprendizagem e o torna tão adequado à Missão de uma instituição de natureza politécnica.

METODOLOGIAS DE AVALIAÇÃO

Na ABS, a avaliação de conhecimentos é parte integrante da execução pedagógica de unidade curricular, pelo que pressupõe a participação ativa dos Estudantes.

O Regulamento de Avaliação de Conhecimentos (RAC) da ABS estabelece que as metodologias de avaliação da aprendizagem dos estudantes nas diversas unidades curriculares devem ter por objetivo avaliar:

  • a assimilação dos conhecimentos;
  • a aplicação de conhecimentos;
  • a capacidade de utilização dos instrumentos analíticos para a resolução de questões teóricas e práticas;
  • a capacidade de exposição escrita e oral dos assuntos tratados;
  • a capacidade de estudo ou aprofundamento de matérias por esforço próprio;
  • a capacidade crítica em relação às matérias.

O RAC estabelece também que, sem prejuízo da autonomia pedagógica de cada docente e das especificidades de cada unidade curricular, no processo de avaliação o Docente deve procurar avaliar prioritariamente a capacidade de aplicação de conhecimentos do/a Estudante face à sua capacidade de exposição de conhecimentos, adotando as metodologias mais adequadas para cumprir os objetivos de ensino definidos no Artigo 1.º, nomeadamente, privilegiando:

  • A metodologia de análise de casos;
  • Os trabalhos práticos face aos testes escritos;
  • Os testes de aplicação de conhecimentos, com consulta, face aos testes de exposição de conhecimentos, sem consulta.

O sistema de avaliação deve desenrolar-se em conformidade com critérios e normas previamente publicitados, devendo a avaliação de trabalhos e projetos efetuar-se de acordo com uma grelha de avaliação conhecida dos Estudantes, sendo os resultados da avaliação apresentados nessa grelha, acompanhados por eventuais comentários e conselhos do Docente.

Além disso, sempre que possível, devem participar no processo de avaliação mais do que um docente, incluindo docentes externos, permitindo assim também a validação externa do ensino de cada unidade curricular.

 

O processo de avaliação deve ter em consideração as dificuldades especiais de grupos específicos de estudantes, como as alunas grávidas, puérperas e lactantes ou com filhos a seu cargo, os estudantes doentes, os estudantes estrangeiros ou deslocados por motivos profissionais, os estudantes com dificuldades de mobilidade ou com frequentes deslocações ao estrangeiro, adaptando-se sempre que necessário metodologias de forma a que essas dificuldades sejam ultrapassadas e permitam um maior aproveitamento escolar, devendo os Docentes apoiar de forma especial os estudantes nestas situações.